Anvisa inseriu o vermífugo na lista de substâncias sujeitas a controle especial.

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) instaurou inquérito, nesta quarta-feira (29), para apurar a possível distribuição indiscriminada do vermífugo ivermectina à população de Rio da Conceição como método de prevenção e tratamento da covid-19. Investigação semelhante também ocorre em Tocantinópolis.

A investigação parte do fundamento que não existe estudo científico conclusivo acerca da eficácia do uso deste medicamento na prevenção ou no tratamento da covid-19 e que a sua possível distribuição sem prescrição médica contraria orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que inseriu o vermífugo na lista de substâncias sujeitas a controle especial.

O inquérito civil público vai apurar se houve dano ao erário municipal decorrente da aquisição do medicamento para a distribuição em larga escala e de forma indiscriminada.

Ao instaurar o procedimento investigativo, a promotora de Justiça Luma Gomides de Souza especificou uma série de informações que serão requisitadas ao prefeito e ao secretário de Saúde.

São elas: a cópia integral do processo referente à compra do remédio e a fundamentação técnica para a definição do quantitativo adquirido; a base científica adotada pelo município para distribuição da ivermectina na prevenção e tratamento das infecções decorrentes da covid-19; se há prescrição médica individualizada do medicamento à população e, em caso afirmativo, as cópias de todas as fichas de atendimento em que houve prescrição.

A 2ª Promotoria de Justiça de Dianópolis também vai verificar se existem informações quanto aos gastos realizados para a aquisição do medicamento no Portal da Transparência do município.

 

Por: AF Notícias


Compartilhar:

Deixe seus Comentario