Corpo de Daiane de Oliveira de Sousa, de 19 anos, foi encontrado em junho de 2018. De acordo com a investigação, a morte aconteceu para encobrir o crime sexual; Pena foi de 23 anos. Réu (esq.) responde pela morte de jovem a pauladas
Reprodução
O Tribunal do Júri condenou Cristiano Barros de Sousa a mais de 23 anos de prisão pelo estupro e assassinato da jovem Daiane de Oliveira de Sousa, de 19 anos. O crime aconteceu em junho de 2018 embaixo da ponte sobre o ribeirão Taquaruçu Grande, próximo ao estádio Nilton Santos, em Palmas.
Segundo o MPE, os crimes foram cometidos mediante dissimulação, pois a vítima foi levada até o local de “forma amistosa”. O laudo necroscópico apontou que Daiane foi atingida na cabeça ao menos três vezes com um pedaço de madeira e teve o rosto desfigurado.
Ainda de acordo com a acusação, o assassinato aconteceu para esconder o crime de estupro. Na época, a polícia foi chamada por um pescador que passou no local e viu o corpo. Fotos mostram que a vítima estava com a blusa rasgada. Cristiano inclusive havia confessado o assassinato durante depoimento.
O julgamento em júri popular aconteceu na quinta-feira (25) e as informações foram divulgadas neste domingo (28) pelo Ministério Público.
O réu teve a pena agravada por agir mediante dissimulação, usar recurso que dificultou a defesa da vítima e por cometer um crime para esconder o outro. A pena deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado, mas ainda cabe recurso.
O g1 ainda tenta contato com algum advogado de defesa.
Corpo foi encontrado debaixo de ponte
Nielcem Fernandes/Divulgação
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Fonte: G1 Tocantins


Compartilhar:

Deixe seus Comentario